Messiaen

“Quarteto para o fim dos tempos”

por Adriano Brandão

Cada um tem o seu fim do mundo. O do compositor Olivier Messiaen não foi nada leve: em 1940 ele foi capturado pelo exército alemão, que então invadia a França, e foi enviado para o campo de concentração de Stalag VIII, na Polônia. Saiu no ano seguinte, e de sua tenebrosa passagem pela prisão nasceu uma obra-prima: o “Quarteto para o fim dos tempos”, uma obra para clarinete, violino, piano e violoncelo baseada do Apocalipse de João.

A formação inusitada do quarteto se deve às próprias condições da vida na cadeia. Logo que chegou ao Stalag VIII, Messiaen encontrou um violoncelista, um violinista e um clarinetista. Fez amizade com seu carcereiro, que trouxe papel pautado e lápis, e assim escreveu um trio para seus companheiros músicos. Depois obteve acesso a um piano velho que encontrou na prisão e assim criou uma parte de piano para ele próprio tocar, ampliando o trio para a forma final do quarteto. Organizou a estreia da obra no campo de conentração mesmo, em um dia frio e chuvoso, para colegas e carcereiros.

O quarteto, como usual para Messiaen, tem oito movimentos, instrumentação variada e títulos muito curiosos. O primeiro se chama “Liturgia de cristal”, o segundo se chama “Vocalize para o anjo que anuncia o fim dos tempos”, o terceiro é “Abismo dos pássaros” e assim por diante. Há movimentos para o quarteto todo, outros para solo de clarinete, para duo de violoncelo e piano, para o trio sem piano, quase todas as permutações possíveis.

A música é muito característica do compositor. Ritmos malucos, longas passagens estáticas (e extáticas), melodia e harmonia muito peculiar. Como exemplo, ouça o sexto movimento, que tem o nome intrigante de “Dança de fúria para os sete trompetes”, praticamente todo em uníssono. Esse tema esquisito mas cativante, genial, só poderia sair da imaginação maluca de Messiaen!

A obra, mais ou menos do início da carreira do compositor, tornou-se muito justificadamente célebre. Não só por sua história emocionante, mas pela incrível qualidade musical. Vá em frente, sem medo – é assim sensacional!

Bom fim-de-semana! Voltamos na semana que vem, uma semana de festas – quer dizer, se o mundo não acabar até lá ;-)

[youtube_sc url=”http://www.youtube.com/watch?v=zYpBHc8px_U”]

Dos mesmos diretores de Ilha Quadrada, eis o Concertmaster, um front-end que transforma o Spotify em um poderoso player de música clássica. GRÁTIS!

Post escrito por Adriano Brandão em 21/12/2012. Link permanente.