Smetana

“Minha pátria”

por Adriano Brandão

Franz Liszt criou o poema sinfônico, mas tenho cá pra mim que a maior de todas as obras neste molde não é dele: é este incrível ciclo “Minha pátria”, composto entre 1874 e 1879 pelo tcheco Bedrich Smetana. É tão maravilhoso que não hesito – “Minha pátria” recebe agora o SELO DE EXCELÊNCIA DO GRANDE CARVALHO, com todos os méritos, com todas as justiças!

A biografia de Smetana, que já comentei antes, é das mais agitadas do século 19. Seu final de vida foi trágico. Ficou surdo e doente, e morreu num manicômio. A composição de “Minha pátria” acontece mais ou menos ao mesmo tempo da descoberta da perda da audição – na verdade, o compositor nunca pôde ouvir sua maior criação.

Smetana passou boa parte da vida tentando estabelecer uma arte tcheca, principalmente através da ópera. “Minha pátria” é a tentativa de Smetana de representar – ou mesmo “fundar”, se me permite usar esse termo – musicalmente sua Boêmia natal, tanto do ponto de vista histórico-cultural quanto do natural.

O ciclo é composto de seis poemas sinfônicos. Smetana não imaginava que fossem executados como uma grande suíte; mas, ao mesmo tempo, criou ligações temáticas entre as partes que tornaram irresistível a prática da audição integral. Acho que faz muito mais sentido assim – a obra se fecha melhor e soa exatamente como deveria ser, um grande e emocionante épico nacional.

“Minha pátria” começa, aliás, com o tema unificador do ciclo – um motivo de quatro notas na harpa. Decore :) Toda a primeira parte simboliza a construção do castelo Vysehrad, lar dos primeiros reis tchecos e berço do país. O tema representa tanto o castelo (que aliás dá nome ao primeiro poema sinfônico) quanto a própria nação tcheca; a harpa evoca imediatamente a figura de um bardo começando a contar uma história.

A segunda parte é a mais famosa. Trata-se de “O Moldava” e seu tema é o rio que banha Praga. O rio, na verdade, é uma desculpa para Smetana nos levar a um passeio panorâmico pela Boêmia. Começamos na nascente do Moldava (os pedacinhos do tema surgindo aqui e acolá e se fundindo para formar a grande e célebre melodia), passamos pelos bosques (caçada; festa de camponeses; fadas e criaturas da noite), por uma queda d’água (o desenvolvimento dramático) e finalmente chegamos a Praga (o tema do castelo! olha ele aí!).

Do turismo à mitologia – no terceiro poema sinfônico, “Sárka”, o assunto é a lenda das amazonas tchecas, que odiavam os homens e declararam guerra a eles. Sárka, a rainha guerreira, finge-se de vítima, atrai um nobre e infliltra-se em um acampamento de soldados. Espera caírem no sono, chama suas colegas amazonas e… BANHO DE SANGUE. Não sobra nenhum cara pra contar a história. Caramba, porque lendas tchecas precisam ser assim tão violentas?

Na quarta parte Smetana se embrenha na natureza, em grande estilo. “Dos bosques e das florestas da Boêmia” é uma descrição apaixonada do interior tcheco. Vai do esplendor da floresta boêmia no auge do verão – a música é incrivelmente excitante – e chega ao folclore, com uma série de danças que não se afastam muito do espírito de “A noiva vendida“. (É uma delícia!)

Os dois últimos poemas sinfônicos foram planejados como um díptico e tratam dos hussitas, os reformadores religiosos do século 15 que, em sua luta contra a igreja, representaram todo o anseio tcheco por emancipação nacional. A dissidência religiosa acabou gerando uma guerra de verdade, com exércitos e mortos.

“Tábor”, a primeira parte do díptico, representa a resistência dos hussitas, reunidos na cidade de Tábor. A peça é toda estruturada em torno de um canto de guerra (o “hino hussita”, muito célebre, também citado por outros compositores). A crueza de sua linguagem propositalmente representa a força dos que lutavam por liberdade de culto e independência política. É talvez o trecho mais sisudo de todo o ciclo, e tem uma modernidade realmente surpreendente.

“Blaník” vem em seguida para terminar “Minha pátria” de maneira monumental. A parte se inicia com o “hino hussita”, exatamente como no fim de “Tábor” – a sensação é de exata continuidade -, mas faz o caminho da batalha à reafirmação da identidade nacional, simbolizada no retorno do tema do castelo de Vysehrad, habilmente misturado ao próprio “hino hussita”.

Musicalmente, “Minha pátria” é um milagre de originalidade e força expressiva. Smetana adota de bom grado a herança de Liszt, mas vai além, fundindo a engenharia lisztiana às cores nacionais (nem poderia ser diferente) e a um vigor muito, muito pessoal. Smetana tinha uma voz própria – e uma voz que gritava bem forte!

São 80 minutos de música da mais alta qualidade, emocionante e inspiradora. Um tesouro para os tchecos e para todos os que amam arte verdadeiramente DO GRANDE CARVALHO.

-~-.o.-~-

Recomendamos o Deezer, uma incrível plataforma online de música, com acervo praticamente infinito. Não precisa baixar nada, é só clicar e ouvir. Ele é gratuito por seis meses, com anúncios, basta fazer o login via Facebook. Quer se livrar dos anúncios e continuar tendo acesso depois desse período? Assine! É menos de 10 reais por mês. Vai lá, FAÇA PELAS CRIANÇAS :)

Dos mesmos diretores de Ilha Quadrada, eis o Concertmaster, um front-end que transforma o Spotify em um poderoso player de música clássica. GRÁTIS!

Post escrito por Adriano Brandão em 26/02/2014. Link permanente.